domingo, novembro 13, 2011

Corre


Corre. Corre depressa. Não olhes nunca para trás. Corre. Corre o mais que puderes. Não tenhas medo se de noite não houver lua. Não olhes para as pedras, elas não te farão cair. Não olhes para o céu, o Sol poder-te-á cegar. Olha sempre para a linha do horizonte. E não desistas. Continua a correr. Não te vais cansar. Nunca nos cansamos quando corremos pela nossa essência. O teu caminho não era aqui. A tua casa não era esta. Era demasiado grande e complexa para ser vivida. Corre. Vai mais longe. Procura uma casa pequenina numa árvore para passares as noites. Acordarias todos os dias com o “passarar”. Ou então procura uma casa pequenina numa árvore à beira-mar. Seria o ideal. Adormecerias todas as noites com o “marulhar”. De manhã, levanta-te. Lava a cara com água salgada e espreguiça-te. Prepara-te para correr. Corre. Não leves mapa. Deixa-te guiar pelo teu instinto. Se tiveres que parar durante o dia não confies em que não conheces. Não te iludas com um doce. Quem é humilde apenas teria para te oferecer um copo de água e um pedaço de pão. Se conheceres alguém que apenas te ofereça isto dá-lhe de ti e pára de correr. Ajuda-lhe a semear o que for preciso. E fica à espera até veres os frutos que deu. Colhe tudo de bom agrado. Despede-te com um sorriso enorme e volta a correr. Corre agora mais devagar. Já não haverá urgência. Já descobriste parte da simplicidade da vida e da solidão. Agora, podes ir a andar e desfrutar a música dos teus passos. Estarás perto de encontrar a comunhão dentro de ti. Se fores capaz estarás bem contigo e vais gostar de viver de ti para ti.

A segunda parte da viagem não é fácil: saber encontrar-se dita a cura do que vai na alma. Mas o mais difícil é decidir partir e procurar a identidade do eu.

P.S. Hoje a música que embala é esta: http://www.youtube.com/watch?v=7LlKoQAvXUc :)

2 comentários:

Longe do Mundo... disse...

O mais difícil e percebermos que todos nós precisamos de uns 'tempos' só nossos.
De correr somente por nós, sem nunca olhar para trás com o sentimento de culpa por termos abandonado algo.
Mas também devemos correr por alguém,mas somente alguém que valha os quilómetros percorridos diariamente :)
P.S. Há músicas que apenas se dançam a 2. É por elas que corremos para encontrar par. Mas nada de pressas, só saberás dançar se realmente for o certo.
Aqui fica: http://www.youtube.com/watch?v=dBHhSVJ_S6A&feature=player_embedded#!

pontodeluz disse...

Pelos vistos não me lembrava, não me lembro muitas vezes de muita coisa. E às vezes acho que nos esquecemos vezes demais de nos deixarmos encontrar não só em nós, mas dentro e naquilo que os outros são. Porque os que por nós passaram são um bocadinho de nós, e nós somos um bocadinho deles. (sim pode ser lido nos dois sentidos) portanto não corras mais, desliza :)