quinta-feira, dezembro 21, 2006

Mudar sem medo


Precisava de espaço. Sentia um vazio dentro de si. Aquele ar citadino e o ambiente hospitalar estavam a sufocá-la. E que tal ir passar uns dias à quinta? Essa ideia agradava-a muito, mas ela não estava disposta a ouvir as pessoas a falarem da vida dela... E logo desistiu da ideia.

Ela precisava de ir para um sítio diferente, conhecer outras culturas, novas gentes. Precisava de ser louca antes que a amargura ou o vitríolo se apoderasse do seu ser.

Ela nunca seguiu os seus sonhos, nunca teve coragem nem força para enfrentar as dificuldades que iriam surgir, sempre alcançoou aquilo que era mais fácil. Mas, depois de receber uma carta dos médicos sem fronteiras, estava disposta a mudar.

E mudou. Foi para o Chade, um país africano onde os missionários também estavam. Tal como eles, ela também tinha muito amor para dar àquelas gentes, e não queira mais desperdiçá-lo só com o seu marido.

No dia da partida, deixo-lhe uma carta. Despediu-se. Ele iria achar que ela estava louca (se calhar estava), porque ninguém abandona uma vida aparentemente realizada e feliz. Mas ele iria acabar por compreender.

Ela precisava de ouvir o seu coração, de se encontrar, antes que o livro da sua vida fechasse e o arrependimento existisse!

7 comentários:

Balzac :D disse...

Nada a dizer.

Concordo totalmente. =)

"Uma vocação não cumprida drena as cores de toda uma existência humana."

por Honoré de Balzac, o grande homem que escrevreu La Femme de Trente Ans, o magnífico livro em que toda a gente morre da maneira mais estúpida e cruel. :D

Tiago disse...

Essa rapariguinha fez muito bem ;)
Perder parte da sua vida para tentar dar felicidade aos outros é muito bom.

Tou a dizer isto mas a minha humilde pessoa n percebeu mt bem o texto :P
Demasiado lírico para mim.

Continua a ecsrever assim ;)
bjs***

Anónimo disse...

É sempre bom dar um pouco de nós aos outros... E se ela não queria dar amor só ao marido, penso que escolheu o melhor caminho.

Não sei se alguma vez era capaz de o fazer... e por isso admiro muito todos os que largam a sua vida, o seu conforto para entrar num mundo diferente: assustador, por vezes. Doenças, fome, miséria, dor.

Continua a escrever assim... está muito bom ;)
jokas
Marta

Anónimo disse...

Pois... tá mal é sair de casa e só deixar um bilhetinho ranhoso ao marido. Ai ai, esta irresponsabilidade.

Margarida disse...

Jesus chama: «Vem e segue-me.» e muitos de nós cerramos os nossos ouvidos e não O seguimos. Felizmente muitas vezes somos como Ele Quer que nós sejamos e mudamos sem medo, tal como esta mulher que deixou tudo o que possuía e partiu.

Madre Teresa de Calcutá, por exemplo, percebeu bem a mensagem do Senhor e seguiu-o...Sem MEDO! «Qual é o lugar do homem? Onde os seus irmãos precisarem dele.»

*junik* disse...

o livro da vida só fecha quando nós queremos.
podes até pensar que ele fecha sozinho, mas, se no teu intimo, se no teu mais interior profundo, o teu coração te disser que ele vai fechar.

*junik* disse...

ele fecha mesmo. [ deixei o comment a meio xD]