sábado, outubro 27, 2012

Enquanto não há amanhã





                                                                                               À minha Amiga Margarida

… (suspiro)…

Porque há músicas assim, que nos fazem arrepiar, sentir tudo na ponta do coração ou no coração por inteiro e que nos ligam aos olhos e às lágrimas não de pena, mas de estou no caminho. O deus é universal e tem quatro letras tão simples, letras de escrita e letras escritas por génios com sensibilidades diferentes.

Porque o sentir em mim ou nós será as juras para sempre. Até lá é preciso mudar o egoísmo que nos parasita. Adjectivar-nos de outras coisas, é urgente. Sermos nós, nós na nossa essência, com o melhor e o pior. O nosso melhor fará bem ao pior de alguém e o melhor de alguém fará bem ao nosso pior.

O gesto da revolta, do que tem que acontecer, do aborrecimento da crise ou da falta realmente dela. Porque a crise é mudança e até hoje não houve a mudança que é bonança. Numa tal rua da alegria, que continua pintada a cinzento. Fazer o que ainda não foi feito. Agora.

O momento que será sempre uma gota de água de mansinho que transbordará num rio de liberdade. Um toque no céu, como se fosse tão palpável e perto. “Pode o céu ser tão longe”?. O céu é o futuro. E o futuro é tão risonho quanto a resposta inocente daquela criança que irá criar um mundo melhor para ti ou para nós.

As pontes que se mantêm vivas em partilhas como estas e em cumplicidades de confiança. A iluminação de uma vida e de ideias. As tantas luzes que trazemos em nós. As tantas luzes que apagamos. As tantas luzes que ainda estão por acender.

Tudo nos faz viver, numa maturidade que se instala por si só. E sabes, no fim, o que perdemos, vamos perceber que ganhámos. E o ganho terá um sabor infinito. Acreditamos e isso basta.

P.S. Porque esta será a esperança de uma estabilidade que virá sem data marcada: http://www.youtube.com/watch?v=LEVXxlVA6GY

2 comentários:

pontodeluz disse...

Podia escrever linhas e linhas, mas deixo o nosso silêncio em que tanto partilhamos e deixo que a minha resposta apareça no teu coração, pois sei que sabes exactamente o que te diria...

http://ser-so-ser.blogspot.pt/2012/10/porque-ha-pessoas-que-nos-sentem-sem.html

Ângela Peça disse...

Urge fazer o que não foi feito. Urge fazer acontecer. Urge. Agora. :)